a luz de dentro

Não foi nada planejado, mas era pra ser assim. Reunir mulheres para conversar sobre o feminino, falar de nossas Luas, da ressignificação do olhar sobre nossos corpos e dinâmicas de ser e estar no mundo. Sobretudo, falar sobre nosso ser cíclico, sobre nossas profundezas e sobre os tabus que tanto nos aprisionam.

Um chamado para a ‘autoescuta’ – quanto silêncio é preciso para que possamos nos ouvir? Um convite para um passeio – pessoal e intransferível – de mãos dadas com a nossa criança interior, aquela menina que sangrou sem entender porquê, e que permaneceu assim por muito tempo.

Expandir, compartilhar uma nova experiência vivida de algo que sempre esteve em mim. Fazer reverberar, dar e receber aquilo que nutre. Um terreno fértil e seguro. Sementes boas, terra nutritiva, sol, água e amor. Mulheres em uma ciranda, a vibração de uma energia de potência e cura. Mãos dadas, corações entrelaçados, união e afeto.

Nesse dia, carregado de simbologia, honrar esta existência e o privilégio de dividi-la com almas afins, num (re)encontro entre nossas meninas e nossas mulheres selvagens.

Tempo de acender, como diz a mestra Clarissa Pinkola Estés, a lamparina do coração – a partir do fogo ancestral. Balançar a luz que vai iluminar o caminhar de todas. Ser guia e aprendiz, conduzir e ser conduzida, ser aconchego e incentivo, ser bruxa, donzela, mãe e feiticeira – ser mulher.

#diadamulher #feminino #poderdamulher #autoescuta #8m #palavras #cronicadodia

Vida inventada e vivida em 08/03/20

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #6 - Compaixão

Já se perguntou se tem algo mais importante na vida do que as relações? A ideia de interdependência como uma condição humana - e, claramente, não é apenas uma ideia - nos dá a dimensão do quanto preci

PALAVRA (s.f.) #5 - o despertar é individual

Saída dos pampas, a jornada da heroína e a exploração do mundo foram aos poucos se tornando uma experiência real na vida e no trabalho de Eliana Rigol. Autora do livro “Afeto Revolution” e a auto-inti

PALAVRA (s.f.) #4 - Celebração do comum

Como contamos e celebramos a nossa história, as nossas relações? Como transformamos o ordinário da vida, o comum, em algo que podemos e devemos celebrar? Como encontramos caminhos, entre a psicologia