a luz de dentro

Não foi nada planejado, mas era pra ser assim. Reunir mulheres para conversar sobre o feminino, falar de nossas Luas, da ressignificação do olhar sobre nossos corpos e dinâmicas de ser e estar no mundo. Sobretudo, falar sobre nosso ser cíclico, sobre nossas profundezas e sobre os tabus que tanto nos aprisionam.

Um chamado para a ‘autoescuta’ – quanto silêncio é preciso para que possamos nos ouvir? Um convite para um passeio – pessoal e intransferível – de mãos dadas com a nossa criança interior, aquela menina que sangrou sem entender porquê, e que permaneceu assim por muito tempo.

Expandir, compartilhar uma nova experiência vivida de algo que sempre esteve em mim. Fazer reverberar, dar e receber aquilo que nutre. Um terreno fértil e seguro. Sementes boas, terra nutritiva, sol, água e amor. Mulheres em uma ciranda, a vibração de uma energia de potência e cura. Mãos dadas, corações entrelaçados, união e afeto.

Nesse dia, carregado de simbologia, honrar esta existência e o privilégio de dividi-la com almas afins, num (re)encontro entre nossas meninas e nossas mulheres selvagens.

Tempo de acender, como diz a mestra Clarissa Pinkola Estés, a lamparina do coração – a partir do fogo ancestral. Balançar a luz que vai iluminar o caminhar de todas. Ser guia e aprendiz, conduzir e ser conduzida, ser aconchego e incentivo, ser bruxa, donzela, mãe e feiticeira – ser mulher.

#diadamulher #feminino #poderdamulher #autoescuta #8m #palavras #cronicadodia

Vida inventada e vivida em 08/03/20

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

Todo fim de ano eu escrevo uma carta de agradecimento pelo que vivi e uma carta com pedidos para o ano que vai chegar. É um jeito que me inspira a reconhecer o caminho percorrido, honrar as escolhas e

Lá se vão 40 anos daquele 18 de maio de 1981. Dia de Sol em Touro. Dia em que eu, solitariamente, nasci. Deixei o lugar estreito, porém conhecido e embalado pelo coração e pelo calor da minha mãe, par

Filha única com quatro irmãos, venho de uma família de certa, podemos dizer, vanguarda. O que hoje é tão banal, os meus, os seus e os nossos, era algo que eu tinha sempre que explicar. O meu pai, o pa