aceitação – oráculo do pão

Recebe o que é teu. Toma para ti. Seja a resiliência, o aprendizado, a quietude. Ainda que fugaz, ser ou deixar grandes lições. Um silêncio que diz. Uma fresta que se abre e por onde escapa a luz. Se fosse de outra forma? Não seria. . Encontrar uma razão, um sentido, um porquê. Ora, estamos todos nessa busca. A vida e a repetição insana dos dias e noites, dias e noites. Sonhar, crescer, formar, evoluir. Seja lá o que for. Estar nesse mundo, aqui e agora, vivendo essa fenda no tempo. Uma fenda sobre a qual só havíamos ouvido falar. Ser parte do que nunca mais será o mesmo. Destruir certezas, nos abrirmos para o insondável, investigar a nossa escuridão humana, duvidar do poder e da autossuficiência. Entender, afinal, que não estamos nem sequer somos sós. . Aceitar é respirar, é permitir, é pertencer. É saber que dentro de cada universo particular há uma integridade a resistir. A luz do Sol, seu calor, a nutrir em nós a energia co-criadora de um sistema que nos (re) orienta. . Fazermos do nosso interior a partícula essencial que brilha e inspira. A pupila da Monalisa – berço de seu soslaio. O dedo de Deus – absoluto gesto. O ser e o não ser – a quem se importar. A cinza e a chama – natureza variada. O rubor e a volúpia – casas do desejo. A flor e a delicadeza – o antifrágil. A força e a maré – sal a salivar. A música e o chiado – notas do teu silêncio. O perdão e o alívio – a crença no divino. O vírus e a vacina – simbiose dor e amor. A contaminação e a cura – eu, você, nós e tudo. #cronicadodia #palavras #quarentenapoetica

#danielemoraes #quarentena #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

Criatividade é um ato de resistência

Todos nós nos perdemos eventualmente. Nos afastamos daquilo que faz nosso coração bater mais forte e, por vezes, esquecemos de quem somos e do que nos move. Diante dos inimagináveis desafios que temos

uma memória feliz

Tem gente que chama de nostalgia. Tem gente que acha que é apego, teimosia, saudosismo. Não sei que nome tem. Só digo que é nesse lugar sem CEP que encontro minha caixa postal de memórias, onde guardo

Uma brasa no meu peito

Antes de mais nada, devo lhe dizer que sou aquele tipo de pessoa que gosta de legumes no churrasco. Não sou vegetariana, ao menos não ainda – embora já tenha informações de que nós, os carnívoros, con