comovido como o diabo

Quando aquela pessoa que você quer ver feliz sempre e para quem você deseja o melhor e que você sabe que pode e que tem tudo pra brilhar tem uma noite linda e intensa e de potência, quando isso acontece, você também encontra um lugar de realização.

Não dá pra disfarçar num olhar blasé. Lamento. Sou álcool forte e não água Perrier.

Ouço um poema do Drummond. Memória é tesouro e abrigo. Num canto do palco, sob foco de luz, despretensioso: o anúncio, sem dar por isso, de uma história de fazer acontecer. Um bonde de puro desejo passava cheio de pernas. Com uma lua, um conhaque… que botaram a gente comovido como o diabo…

3 de agosto de 2018

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #6 - Compaixão

Já se perguntou se tem algo mais importante na vida do que as relações? A ideia de interdependência como uma condição humana - e, claramente, não é apenas uma ideia - nos dá a dimensão do quanto preci

PALAVRA (s.f.) #5 - o despertar é individual

Saída dos pampas, a jornada da heroína e a exploração do mundo foram aos poucos se tornando uma experiência real na vida e no trabalho de Eliana Rigol. Autora do livro “Afeto Revolution” e a auto-inti

PALAVRA (s.f.) #4 - Celebração do comum

Como contamos e celebramos a nossa história, as nossas relações? Como transformamos o ordinário da vida, o comum, em algo que podemos e devemos celebrar? Como encontramos caminhos, entre a psicologia