comovido como o diabo

Quando aquela pessoa que você quer ver feliz sempre e para quem você deseja o melhor e que você sabe que pode e que tem tudo pra brilhar tem uma noite linda e intensa e de potência, quando isso acontece, você também encontra um lugar de realização.

Não dá pra disfarçar num olhar blasé. Lamento. Sou álcool forte e não água Perrier.

Ouço um poema do Drummond. Memória é tesouro e abrigo. Num canto do palco, sob foco de luz, despretensioso: o anúncio, sem dar por isso, de uma história de fazer acontecer. Um bonde de puro desejo passava cheio de pernas. Com uma lua, um conhaque… que botaram a gente comovido como o diabo…

3 de agosto de 2018

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

Criatividade é um ato de resistência

Todos nós nos perdemos eventualmente. Nos afastamos daquilo que faz nosso coração bater mais forte e, por vezes, esquecemos de quem somos e do que nos move. Diante dos inimagináveis desafios que temos

uma memória feliz

Tem gente que chama de nostalgia. Tem gente que acha que é apego, teimosia, saudosismo. Não sei que nome tem. Só digo que é nesse lugar sem CEP que encontro minha caixa postal de memórias, onde guardo

Uma brasa no meu peito

Antes de mais nada, devo lhe dizer que sou aquele tipo de pessoa que gosta de legumes no churrasco. Não sou vegetariana, ao menos não ainda – embora já tenha informações de que nós, os carnívoros, con