diluído

Aquarelar é como viver. É preciso escolher bem os pigmentos e, preferencialmente, pincéis macios. Um papel resistente, capaz de suportar tantas camadas, vai muito bem. Sobretudo, é essencial expandir a consciência e ter escuta. A pintura é de conversar e tem seus próprios caminhos, assim como a vida. Nossas tintas, muita água, diluição e mistura. Ah! E uma caixa de lencinhos de papel pra enxugar os inevitáveis e imprescindíveis borrões.

9 de agosto de 2018

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #6 - Compaixão

Já se perguntou se tem algo mais importante na vida do que as relações? A ideia de interdependência como uma condição humana - e, claramente, não é apenas uma ideia - nos dá a dimensão do quanto preci

PALAVRA (s.f.) #5 - o despertar é individual

Saída dos pampas, a jornada da heroína e a exploração do mundo foram aos poucos se tornando uma experiência real na vida e no trabalho de Eliana Rigol. Autora do livro “Afeto Revolution” e a auto-inti

PALAVRA (s.f.) #4 - Celebração do comum

Como contamos e celebramos a nossa história, as nossas relações? Como transformamos o ordinário da vida, o comum, em algo que podemos e devemos celebrar? Como encontramos caminhos, entre a psicologia