diluído

Aquarelar é como viver. É preciso escolher bem os pigmentos e, preferencialmente, pincéis macios. Um papel resistente, capaz de suportar tantas camadas, vai muito bem. Sobretudo, é essencial expandir a consciência e ter escuta. A pintura é de conversar e tem seus próprios caminhos, assim como a vida. Nossas tintas, muita água, diluição e mistura. Ah! E uma caixa de lencinhos de papel pra enxugar os inevitáveis e imprescindíveis borrões.

9 de agosto de 2018

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

Criatividade é um ato de resistência

Todos nós nos perdemos eventualmente. Nos afastamos daquilo que faz nosso coração bater mais forte e, por vezes, esquecemos de quem somos e do que nos move. Diante dos inimagináveis desafios que temos

uma memória feliz

Tem gente que chama de nostalgia. Tem gente que acha que é apego, teimosia, saudosismo. Não sei que nome tem. Só digo que é nesse lugar sem CEP que encontro minha caixa postal de memórias, onde guardo

Uma brasa no meu peito

Antes de mais nada, devo lhe dizer que sou aquele tipo de pessoa que gosta de legumes no churrasco. Não sou vegetariana, ao menos não ainda – embora já tenha informações de que nós, os carnívoros, con