mil coisas ao mesmo tempo

Filha única com quatro irmãos, venho de uma família de certa, podemos dizer, vanguarda. O que hoje é tão banal, os meus, os seus e os nossos, era algo que eu tinha sempre que explicar. O meu pai, o pai dela, a nossa mãe, a mãe deles.


Tenho uma criança artista que mora dentro de mim e que passou muitos anos escondida. Agora ela sai pra brincar e me faz encontrar a escritora que eu também sempre fui, mas que a jornalista que me tornei quase me fez abandonar.


Acredito que juntas somos inteiras, que nos completamos no coletivo e que é nas relações, e não somente nas teses, que crescemos e aprendemos. A educação é uma paixão e o caminho de toda a cura. Por isso, me mantenho aprendiz e não gosto de ideias limitantes.


Faço mil coisas ao mesmo tempo e tenho interesses diversos, sou inquieta, mas gosto de profundidade e segurança. Talvez se eu fosse mergulhadora, precisaria de novos mares de tempos em tempos.


Duas crianças me escolheram para trazê-las ao mundo e essa experiência me atravessou como nenhuma até então. Eu me transformei tanto, mas tanto, que quase me perdi de mim - ou senti assim. Mas foram justamente essas relações profundas (olha só o meu mar) que me desafiaram à reconexão, ao reconhecimento da minha essência, ao reencontro com a Dani de 7 anos que gostava de cantar, dançar e ouvir histórias.


Tudo o que eu faço hoje tem a ver com isso. Entre escritora, mediadora de grupos de mulheres e leitura, mentora e podcaster, me sinto uma contadora de histórias a assoprar brasas. Não me canso de aprender a ouvir, porque para contar histórias e incandescer corações a gente precisa mesmo é descobrir as escutadeiras que somos.


O que o silêncio interior conta de ti?

Posts Relacionados

Ver tudo

Todo fim de ano eu escrevo uma carta de agradecimento pelo que vivi e uma carta com pedidos para o ano que vai chegar. É um jeito que me inspira a reconhecer o caminho percorrido, honrar as escolhas e

Lá se vão 40 anos daquele 18 de maio de 1981. Dia de Sol em Touro. Dia em que eu, solitariamente, nasci. Deixei o lugar estreito, porém conhecido e embalado pelo coração e pelo calor da minha mãe, par

Leveza é quando as palavras são silêncio. É parecida com liberdade, que a gente não explica, mas sente. Tantas vezes, sente falta. É que o que define esse pulsar de agora é a mais pura intensidade. É