PALAVRA (s.f.) #3 - Intimidade 

Uma coisa a gente sabe: intimidade é algo que, em geral, não acontece de repente nem de uma hora para outra. Para algumas pessoas, parece ser mais fácil aprofundar as relações - vide aspectos em Escorpião nos mapas astrais -, mas ainda assim esse é um processo que precisa ser nutrido, às vezes conquistado.

Essa tal intimidade pode ser com o outro, mas também pode (e deve) acontecer com a gente mesma. Já parou para pensar sobre o que você vê (e só você vê) quando se olha no espelho? Já parou para se questionar sobre o que você gosta e não gosta de verdade na sua vida? O que nutre a sua alma? É sobre isso, e outros tantos temas bacanas, que eu e Fefe Resende conversamos no 3º episódio do podcast “Palavra - Substantivo Feminino”.

Fefe trabalha com identidade, autoexpressão e comunicação e convida a gente a pensar sobre como podemos criar diálogos mais íntimos conosco, com as nossas comunidades e com esse mundo, chamado internet.

Se você quiser esticar essa conversa depois de ouvir o episódio, te espero no meu Instagram @danielemoraes.

Créditos:

Redação e produção: Daniele Moraes

Edição: Domenica Mendes

Direção de arte: Marco Brito

Letra da Fefe Resende:

Livros da Fefe (Cia das Letras): Substitua consumo por autoestima: Um guia de compras conscientes Como construir um guarda-roupa inteligente

Vista quem você é O guia de doações: O quê, onde e como doar

A ilha do conhecimento: Os limites da ciência e a busca por sentido (Marcelo Gleiser) A ridícula ideia de nunca mais te ver (Rosa Montero) Os quatro compromissos (Don Miguel Ruiz)


www.feferesende.com.br @feferesende

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #2 - Sabedoria do Corpo

Neste segundo episódio do PALAVRA - Substantivo Feminino, Dani Moraes e Maria Barretto conversam sobre a sabedoria do corpo e sobre como, por meio de experiências sensoriais, é possível nos mantermos

PALAVRA (s.f.) #1 - Mudança

O primeiro episódio do PALAVRA - Substantivo Feminino chega para falar sobre um tema que mobiliza geral: mudança - a única constante da vida. Foram justamente mudanças inadiáveis que resultaram, inclu

Criatividade é um ato de resistência

Todos nós nos perdemos eventualmente. Nos afastamos daquilo que faz nosso coração bater mais forte e, por vezes, esquecemos de quem somos e do que nos move. Diante dos inimagináveis desafios que temos