tempestade de ideias

Tempestade de ideias. Foi a headline de algumas anotações que eu fiz hoje. A porra da minha cabeça criativa está feito uma locomotiva desgovernada na potência máxima. Tanto tempo contida na gavetinha da prudência que foi só ameaçar aproximar a mão do puxador e ela se abriu todinha. Agora transborda, me atordoa e não me deixa dormir. Não me deixa dar um passo de cada vez. É que essa minha mente louca mete arco íris nos meus desejos de pote de ouro, e fala de amar e ser livre. Mas também me lembra da prisão em que às vezes sinto que estou, e que de fato estou. Aqui neste vale, faz cindir a vida de antes e de amanhã, que no agora é pura ausência e uma chuva forte, tempestuosa, ácida. Esmurra o telhado a trovoar: agora ou nunca.

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #6 - Compaixão

Já se perguntou se tem algo mais importante na vida do que as relações? A ideia de interdependência como uma condição humana - e, claramente, não é apenas uma ideia - nos dá a dimensão do quanto preci

PALAVRA (s.f.) #5 - o despertar é individual

Saída dos pampas, a jornada da heroína e a exploração do mundo foram aos poucos se tornando uma experiência real na vida e no trabalho de Eliana Rigol. Autora do livro “Afeto Revolution” e a auto-inti

PALAVRA (s.f.) #4 - Celebração do comum

Como contamos e celebramos a nossa história, as nossas relações? Como transformamos o ordinário da vida, o comum, em algo que podemos e devemos celebrar? Como encontramos caminhos, entre a psicologia