um palmo (digital)

Uma mensagem aqui, agora. Talvez ninguém leia. Outras dez, todo dia. Talvez alguém leia, mas nunca responda.

Lives e stories e silhuetas virtuais. Hilária, ingênua e contemporânea ilusão de pertencer. Íntimos e mais desconhecidos que o mar. Na tela, no bar, no palco, na plateia, no app. Nas vitrines te vendo passar?

Um punhado de vezes ao vivo. Sentir o peito abrir, o ar entrar, sair. Um cheiro, um pulsar. Carne e osso — feito gente. Analógico.

Um gesto simpático, um aceno. Sorrir, inclinar a cabeça pro lado. Sorrir de novo. Sempre sorris de volta?

Não fazes ideia de quem és. Ninguém e alguém também não. Enfim, uma afinidade real.

24 de junho de 2018

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

Todo fim de ano eu escrevo uma carta de agradecimento pelo que vivi e uma carta com pedidos para o ano que vai chegar. É um jeito que me inspira a reconhecer o caminho percorrido, honrar as escolhas e

Lá se vão 40 anos daquele 18 de maio de 1981. Dia de Sol em Touro. Dia em que eu, solitariamente, nasci. Deixei o lugar estreito, porém conhecido e embalado pelo coração e pelo calor da minha mãe, par

Filha única com quatro irmãos, venho de uma família de certa, podemos dizer, vanguarda. O que hoje é tão banal, os meus, os seus e os nossos, era algo que eu tinha sempre que explicar. O meu pai, o pa