um palmo (digital)

Uma mensagem aqui, agora. Talvez ninguém leia. Outras dez, todo dia. Talvez alguém leia, mas nunca responda.

Lives e stories e silhuetas virtuais. Hilária, ingênua e contemporânea ilusão de pertencer. Íntimos e mais desconhecidos que o mar. Na tela, no bar, no palco, na plateia, no app. Nas vitrines te vendo passar?

Um punhado de vezes ao vivo. Sentir o peito abrir, o ar entrar, sair. Um cheiro, um pulsar. Carne e osso — feito gente. Analógico.

Um gesto simpático, um aceno. Sorrir, inclinar a cabeça pro lado. Sorrir de novo. Sempre sorris de volta?

Não fazes ideia de quem és. Ninguém e alguém também não. Enfim, uma afinidade real.

24 de junho de 2018

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #6 - Compaixão

Já se perguntou se tem algo mais importante na vida do que as relações? A ideia de interdependência como uma condição humana - e, claramente, não é apenas uma ideia - nos dá a dimensão do quanto preci

PALAVRA (s.f.) #5 - o despertar é individual

Saída dos pampas, a jornada da heroína e a exploração do mundo foram aos poucos se tornando uma experiência real na vida e no trabalho de Eliana Rigol. Autora do livro “Afeto Revolution” e a auto-inti

PALAVRA (s.f.) #4 - Celebração do comum

Como contamos e celebramos a nossa história, as nossas relações? Como transformamos o ordinário da vida, o comum, em algo que podemos e devemos celebrar? Como encontramos caminhos, entre a psicologia