um palmo (digital)

Uma mensagem aqui, agora. Talvez ninguém leia. Outras dez, todo dia. Talvez alguém leia, mas nunca responda.

Lives e stories e silhuetas virtuais. Hilária, ingênua e contemporânea ilusão de pertencer. Íntimos e mais desconhecidos que o mar. Na tela, no bar, no palco, na plateia, no app. Nas vitrines te vendo passar?

Um punhado de vezes ao vivo. Sentir o peito abrir, o ar entrar, sair. Um cheiro, um pulsar. Carne e osso — feito gente. Analógico.

Um gesto simpático, um aceno. Sorrir, inclinar a cabeça pro lado. Sorrir de novo. Sempre sorris de volta?

Não fazes ideia de quem és. Ninguém e alguém também não. Enfim, uma afinidade real.

24 de junho de 2018

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

Criatividade é um ato de resistência

Todos nós nos perdemos eventualmente. Nos afastamos daquilo que faz nosso coração bater mais forte e, por vezes, esquecemos de quem somos e do que nos move. Diante dos inimagináveis desafios que temos

uma memória feliz

Tem gente que chama de nostalgia. Tem gente que acha que é apego, teimosia, saudosismo. Não sei que nome tem. Só digo que é nesse lugar sem CEP que encontro minha caixa postal de memórias, onde guardo

Uma brasa no meu peito

Antes de mais nada, devo lhe dizer que sou aquele tipo de pessoa que gosta de legumes no churrasco. Não sou vegetariana, ao menos não ainda – embora já tenha informações de que nós, os carnívoros, con