vista de um ponto

Toda arte é um pouco egoísta. Serve, antes de tudo, para salvar o próprio artista. Salvá-lo de si, da sua loucura ou de qualquer sanidade torturante – a pior das dores. Maldita lucidez que nos faz atores do real. Nada mais brutal ao criador do que a vida prática, o cotidiano, os boletos e suas datas de vencimento. Invento um mundo sem datas de vencimento, sem limites, sem juros de cartão, sem cheque especial. Um mundo mais gato, onde ser lânguido é belo, natural. Onde se cai sempre de pé. E onde a possibilidade das setes vidas tira a urgência do agora e dá à língua o tempo da lambida. ** desenho a quatro mãos – Daniele Moraes e Marco Brito** #aartesalva #cronicadodia #palavras

Posts Relacionados

Ver tudo

Criatividade é um ato de resistência

Todos nós nos perdemos eventualmente. Nos afastamos daquilo que faz nosso coração bater mais forte e, por vezes, esquecemos de quem somos e do que nos move. Diante dos inimagináveis desafios que temos

uma memória feliz

Tem gente que chama de nostalgia. Tem gente que acha que é apego, teimosia, saudosismo. Não sei que nome tem. Só digo que é nesse lugar sem CEP que encontro minha caixa postal de memórias, onde guardo

Uma brasa no meu peito

Antes de mais nada, devo lhe dizer que sou aquele tipo de pessoa que gosta de legumes no churrasco. Não sou vegetariana, ao menos não ainda – embora já tenha informações de que nós, os carnívoros, con