vista de um ponto

Toda arte é um pouco egoísta. Serve, antes de tudo, para salvar o próprio artista. Salvá-lo de si, da sua loucura ou de qualquer sanidade torturante – a pior das dores. Maldita lucidez que nos faz atores do real. Nada mais brutal ao criador do que a vida prática, o cotidiano, os boletos e suas datas de vencimento. Invento um mundo sem datas de vencimento, sem limites, sem juros de cartão, sem cheque especial. Um mundo mais gato, onde ser lânguido é belo, natural. Onde se cai sempre de pé. E onde a possibilidade das setes vidas tira a urgência do agora e dá à língua o tempo da lambida. ** desenho a quatro mãos – Daniele Moraes e Marco Brito** #aartesalva #cronicadodia #palavras

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #6 - Compaixão

Já se perguntou se tem algo mais importante na vida do que as relações? A ideia de interdependência como uma condição humana - e, claramente, não é apenas uma ideia - nos dá a dimensão do quanto preci

PALAVRA (s.f.) #5 - o despertar é individual

Saída dos pampas, a jornada da heroína e a exploração do mundo foram aos poucos se tornando uma experiência real na vida e no trabalho de Eliana Rigol. Autora do livro “Afeto Revolution” e a auto-inti

PALAVRA (s.f.) #4 - Celebração do comum

Como contamos e celebramos a nossa história, as nossas relações? Como transformamos o ordinário da vida, o comum, em algo que podemos e devemos celebrar? Como encontramos caminhos, entre a psicologia