dia de Sol em Touro

Lá se vão 40 anos daquele 18 de maio de 1981. Dia de Sol em Touro. Dia em que eu, solitariamente, nasci. Deixei o lugar estreito, porém conhecido e embalado pelo coração e pelo calor da minha mãe, para respirar por mim mesma. Num ato de coragem ou instinto, não sei.


Acho que essas coisas se misturam mesmo e esse caminho sem saída parece uma ação condicionada. Aprendi, no entanto, que a direção ao menos era de escolha. Descobri também que não é preciso deixar o peito se estropiar na impossibilidade de seguir para ser capaz de mudar de rumo.


Pulei num vale encantado, como quem “cai pra cima”. Subi no colo do afeto e venho aqui te contar que sou mulher, filha, mãe e criadora. Sou também assopradora de brasas e te convido a saber melhor de ti, desvendar tuas incertezas e mergulhar no invisível. Na atmosfera infinita da criatividade, que é potência e pulsão de vida, te chamo pra dançar e ser sua própria coreografia.


Venho carregando meu candeeiro e sei que a gente é capaz de encontrar e acender a própria fogueira! Que a gente é fogo, pavio e oxigênio. Que a gente ilumina e é iluminada, e que é pela criação e pela arte que nos salvamos do vácuo de só existir.

Posts Relacionados

Ver tudo

Todo fim de ano eu escrevo uma carta de agradecimento pelo que vivi e uma carta com pedidos para o ano que vai chegar. É um jeito que me inspira a reconhecer o caminho percorrido, honrar as escolhas e

Filha única com quatro irmãos, venho de uma família de certa, podemos dizer, vanguarda. O que hoje é tão banal, os meus, os seus e os nossos, era algo que eu tinha sempre que explicar. O meu pai, o pa

Leveza é quando as palavras são silêncio. É parecida com liberdade, que a gente não explica, mas sente. Tantas vezes, sente falta. É que o que define esse pulsar de agora é a mais pura intensidade. É