isolamento no isolamento

Estou trancada no banheiro. Tomei café, escrevi minhas páginas matinais e, em seguida, tive um papo cabeça sobre criação de filhos com meu companheiro. Separei duas brigas das crianças. Cortei mamão e servi com granola, mel e chia para uma delas. A outra está chateada, porque “nessa casa só tem banana, mamão e melão”. Tive uma DR comigo mesma sobre privilégios e sobre como ensinar gratidão aos filhos. Dicas? Cheguei ao banheiro, tranquei a porta. Ufa! “Meu momento”. Número 1, número 2, esvaziar o coletor. Vou reservar meu sangue para plantar a minha Lua – outro dia eu explico. Estou muito conectada com o sagrado feminino. Uau! Assisto um IGTv compartilhado por uma amiga. É com uma atriz lendo a última crônica do Gregório Duvivier sobre ócio criativo. Começo a relaxar. Um suspiro, um sorriso. Caramba, uma risadinha. Esqueci do coronavírus, e já faz 2 minutos e dezessete, dezoito segundos. Toc, toc, toc! Minha filha mais nova não consegue lidar com o fato de, eventualmente, eu trancar uma porta. Ela pergunta: — Mãe, você sabe o que é uma ‘zumbelha’? Parei de ver o vídeo e respondi: — Não, filha. O que é? — É um tipo de abelha zumbi que usa o mel para transformar as crianças em abelhas. Cuidado, viu? Ri alto. — Ah, tá bom, filha, vou tomar cuidado. Penso que tenho meu próprio “Gregório Duvivier” em casa. Enquanto registro isso aqui no bloco de notas do celular, já bateram exatamente mais sete vezes nessa mesma porta – todos os moradores da residência precisavam falar algo muito importante, que não poderia esperar. Travei todas as atividades em andamento. Sequer terminei o vídeo intelectual/divertido. Tenho, ao menos, a crônica do dia. Escrita durante tentativa de isolamento, no isolamento do banheiro, em isolamento social contra vírus e abelhas zumbis. A mais perfeita tradução da produtividade dessa quarentena. #cronicadodia #palavras #aartesalva

Escrito em 17/04/2020

#danielemoraes #textoafetivo #textoafetuoso #palavras #crônica

Posts Relacionados

Ver tudo

Criatividade é um ato de resistência

Todos nós nos perdemos eventualmente. Nos afastamos daquilo que faz nosso coração bater mais forte e, por vezes, esquecemos de quem somos e do que nos move. Diante dos inimagináveis desafios que temos

uma memória feliz

Tem gente que chama de nostalgia. Tem gente que acha que é apego, teimosia, saudosismo. Não sei que nome tem. Só digo que é nesse lugar sem CEP que encontro minha caixa postal de memórias, onde guardo

Uma brasa no meu peito

Antes de mais nada, devo lhe dizer que sou aquele tipo de pessoa que gosta de legumes no churrasco. Não sou vegetariana, ao menos não ainda – embora já tenha informações de que nós, os carnívoros, con