sopro em verso

Medo, sonho, fantasia Sabão, ilusão, correria A hora da morte O nascer de mais um dia Estar aqui e não ser assim Dar por isso, meu inicio e o fim

Ser termômetro, ventania Ser raiva e alegria Caminho, passo, escuridão Olho, tecla, palavrão Ter esperança, não ser idiota Crer, fazer, adiar Ter dor no ombro, pele seca, frio Som, silencio, eu em mim Você, seu mundo Suas mentiras, seu coração Pés gelados, água fria Fogo, agonia Cansaço, exaustão Panela suja, leite derramado no fogão Doce, açúcar, afeto, tapete sem chão Sombra e negação Cada passo, um sermão Cada gesto, o perdão

Estar vivo e aquém de si Estar morto e além, enfim Estar sóbrio, sozinho, Todo mar, arrebentação Beber, lamentar Ser brasileiro, não ter lugar

Digitar o que a mente sopra Sem sentido, sem catarse ou emoção Ora rima, ora nega Canto, dor ou gozação Bicho do mato, carne em putrefação Cama feita, link para reunião A cadela ama, em humilhação Chá, pasta de dente Internet, marcas de expressão Nada faz ou é sentido Pausa, silêncio-coração . #aartesalva #poesianaquarentena #palavras

Posts Relacionados

Ver tudo

PALAVRA (s.f.) #8 - Na pele e no papel

Fechando com chave de ouro essa jornada, a convidada do oitavo episódio é a escritora, jornalista e poeta Ana Holanda. Além de Diretora de conteúdo da Editora Vida Simples, Ana é também mãe da Clara e

PALAVRA (s.f.) #7 – Melhor não ser deusa

Mulheres são tão estimuladas a seguir determinados padrões, a fazer o que é esperado delas, que às vezes tentando fugir desses estereótipos acabam tropeçando em idealizações igualmente pré-estabelecid

PALAVRA (s.f.) #6 - Compaixão

Já se perguntou se tem algo mais importante na vida do que as relações? A ideia de interdependência como uma condição humana - e, claramente, não é apenas uma ideia - nos dá a dimensão do quanto preci